Eu sou Carlos Latuff, cartunista e fã ferroviário. O propósito desta página é compartilhar com os internautas uma seleção das melhores imagens produzidas durante minhas expedições ferroviárias. Os registros aqui publicados podem ser reproduzidos pelos interessados, com tanto que para fins não-comerciais de informação, citando a fonte (por gentileza). Sou também colaborador do sítio www.estacoesferroviarias.com.br, de autoria do pesquisador Ralph Mennucci Giesbrecht, a página mais completa da Internet sobre estações ferroviárias brasileiras.

quarta-feira, 5 de outubro de 2011

Estações perdidas no interior da Paraíba

(Clique na imagem para ampliar)



Estação ferroviária de João Pessoa, na Paraíba, operada pela Companhia Brasileira de Trens Urbanos (CBTU)

A convite do Coletivo Desentoca, formado por estudantes de Direito da Universidade Federal da Paraíba (UFPB), estive em João Pessoa para participar do 1º Festival Interdisciplinar de Arte, Sociedade e Cultura (FIASCU). Diga-se de passagem, graças a eles, foi a primeira vez em que pus os pés no nordeste brasileiro. Aproveitando, é claro, fui investigar algumas estações ferroviárias perdidas no tempo, citadas na página de Ralph Mennucci Giesbrecht, Estações Ferroviárias.

As estações em questão foram Paula Cavalcante, Cobé e Sapé.

A ferrovia paraibana começou a ser construída em 1880, com o início das obras da Estrada de Ferro Conde D´Eu, sendo que, no ano seguinte, foi inaugurado um trecho de 30km ligando a capital João Pessoa a localidade conhecida como Entroncamento, onde existe a estação de Paula Cavalcante. Esse trecho, de acordo com o guia de ferrovias do IBGE, era operado em 1956 pela Rede Ferroviária do Nordeste.

Na tarde de sexta-feira, dia 30 de setembro, peguei o trem da CBTU em João Pessoa e segui rumo ao município de Santa Rita. Trata-se de um dos raros trens de passageiros que funcionam no Brasil, que apesar dos parcos recursos, transporta diariamente uma média de 8 mil pessoas, com uma tarifa social de 50 centavos. Prova de que a União tem todas as condições de administrar um serviço essencial como o transporte de massa, sem lançar mão do argumento fajuto da privatização (como aconteceu com as linhas de subúrbio no Rio de Janeiro). Fiz um pequeno vídeo durante o percurso.



Ao chegar em Santa Rita, peguei um alternativo, como são conhecidos os taxis que fazem lotação, que me deixou próximo a ponte sobre o rio Paraíba. A ponte encontra-se interditada, devido a avarias em sua estrutura, provocadas por uma enchente. A travessia atualmente se faz de bote.

(Clique na imagem para ampliar)



Chegando do outro lado do rio, já no município de Cruz do Espírito Santo, fui de moto-táxi em busca das estações abandonadas, seguindo por uma rodovia completamente esburacada. Atravessamos uma outra ponte, essa ferroviária, também sobre o rio Paraíba. O trecho está desativado há anos mas, surpreendentemente, ainda existem trilhos e até brita.

(Clique nas imagens para ampliar)




Eis as estações:

- Paula Cavalcante km184,0

A estação se localiza no entrocamento entre os ramais Recife,(PE)/Nova Cruz(RN) e Paula Cavalcante/Cabedelo, ambos da extinta Rede Ferroviária do Nordeste. No guia do IBGE consta como Paula Cavalcante mas no dístico da estação lê-se Paula Cavalcanti. Encontra-se abandonada. Seu pátio ainda mantém os desvios, cobertos de vegetação.

(Clique nas imagens para ampliar)







- Cobé km186,0

Da estação, localizada numa pequena vila, tudo que sobrou foi a plataforma, escondida pelo mato, e o banheiro. Mas os trilhos continuam lá.

(Clique nas imagens para ampliar)





- Sapé km199,0

Em Sapé também existem trilhos, porém nada mais existe da estação, nem rastro, só os moradores conseguem indicar o local, que fica no centro do município, no meio de uma avenida.

(Clique na imagem para ampliar)



5 comentários:

batateira disse...

fotos belíssimas!

EFGoyaz disse...

Você anda longe demais. É Rio Grande do Sul, é Paraíba. E fica dando inveja em quem tem que ver tudo isso só pela internet. Como sempre, belas fotos e importantes informações.

Caronte disse...

bom dia.

olhando as suas viagens e o exemplo que nos aponta nessa sua última viagem só fica claro para nós que não temos transporte de passageiros operado pelo governo porque este simplesmente não quer. aqui no RJ o governo compra trens novos para a empresa concessionária particular operar e com uma passagem mais cara que a dos ônibus urbanos e um serviço sofrível com atrasos e constantes quebras, o que demonstra a atual burrice dos nossos governantes... é uma pena...

Bruno R disse...

muito legal!

Rodrigo Flores disse...

Belas fotos!! parabéns