Eu sou Carlos Latuff, cartunista e fã ferroviário. O propósito desta página é compartilhar com os internautas uma seleção das melhores imagens produzidas durante minhas expedições ferroviárias. Os registros aqui publicados podem ser reproduzidos pelos interessados, com tanto que para fins não-comerciais de informação, citando a fonte (por gentileza). Sou também colaborador do sítio www.estacoesferroviarias.com.br, de autoria do pesquisador Ralph Mennucci Giesbrecht, a página mais completa da Internet sobre estações ferroviárias brasileiras.

quarta-feira, 1 de maio de 2013

Paradas de Inspetor Moyses e Monte Bonito, ramal de Cangussu, Pelotas, RS

De acordo com o guia Ferrovias do Brasil do IBGE (1955) as paradas de Inspetor Moyses (km 947,1) e Monte Bonito (km 956,1) localizam-se na zona rural de Pelotas, e pertenciam ao ramal de Cangussu (atualmente se escreve Canguçu) da Viação Férrea do Rio Grande do Sul. Não constavam quaisquer imagens destas paradas no sítio Estações Ferroviárias do Brasil. Monte Bonito é o 9º distrito de Pelotas, onde se localizam pedreiras que forneceram rochas para construção dos molhes da barra do Rio Grande.

(Clique nas imagens para ampliar)

Vagoneta. Tipico transporte turistico dos Molhes da Barra em Rio Grande

Graças a colaboração do ex-ferroviário Sr. José Francisco, conhecido como "Toquinho", e a ajuda de Rosana Gomes, Patricia da Cunha e Romerio Jair Kunrath, consegui localizar as paradas.

Aos 81 anos seu Toquinho guarda vivas memórias da estrada-de-ferro, onde trabalhou entre 1942 e 1950.
Este mapa, desenhado por um dos netos do Seu Toquinho, mostra a localização das paradas, algumas com nomes diferentes daqueles que constam no guia de ferrovias do IBGE.

Parada Inspetor Moyses - Localizada atualmente numa comunidade popular, desta parada restaram a caixa d'água que servia as locomotivas à vapor e a plataforma, em ruínas.



Parada Monte Bonito - Localizada atualmente numa propriedade rural, desta parada também restaram a caixa d'água e a plataforma, onde foi construida uma casa.




Essa carta, datada de 20 de outubro de 1948, escrita por um oficial do então 1º Batalhão Ferroviário de Pelotas, foi endereçada a André Maschke, proprietário do terreno por onde passaria a ferrovia.

2 comentários:

Dado DJ (Trilhos do Rio) disse...

Show de bola, Latuff !
Valeu !

_ disse...

Olá Latuff,

Estou iniciando uma pesquisa para minha monografia sobre a construção desse ramal. Além dos guias Ferrovias do Brasil tu indicarias outra fonte? Vou utilizar algumas entrevistas de História Oral, reportagens de jornal e documentos oficiais, além é claro de bibliografia da área, mas tenho encontrado pouco material oficial que fale desse trecho.

Teu blog, assim como alguns outros de fãs ferroviários, tem sido de grande ajuda para eu descobrir muita coisa e saber onde ir atrás de mais informação :)