Eu sou Carlos Latuff, cartunista e fã ferroviário. O propósito desta página é compartilhar com os internautas uma seleção das melhores imagens produzidas durante minhas expedições ferroviárias. Os registros aqui publicados podem ser reproduzidos pelos interessados, com tanto que para fins não-comerciais de informação, citando a fonte (por gentileza). Sou também colaborador do sítio www.estacoesferroviarias.com.br, de autoria do pesquisador Ralph Mennucci Giesbrecht, a página mais completa da Internet sobre estações ferroviárias brasileiras.

terça-feira, 9 de dezembro de 2014

Estações Esperança e Machado, Ramal de Caxias do Sul, Viação Férrea do Rio Grande do Sul

De volta com minhas incursões rodoferroviárias pelo interior do Rio Grande do Sul, mais uma vez na companhia da professora Vanessa Kufner, encontrei o que restou da estação Esperança (km 104,7) e do estribo Machado, também conhecido por moradores como desvio Machado (km 155,7), ambos pertencentes à linha Montenegro-Caxias do Sul, o ramal de Caxias do Sul, da Viação Férrea do Rio Grande do Sul (VFRGS).

- Esperança

A estação encontra-se atualmente numa propriedade rural, no município de Maratá (RS), pertencente ao Sr. Ricardo, que gentilmente nos levou até o local. O que restou da estação original são as paredes de tijolos. As partes de madeira foram erguidas pelo Sr. Ricardo, que converteu as ruínas da estação em um depósito de carvão. Ele me disse que por ser um trecho por onde passam motociclistas em competições, porá uma placa indicando ser alí a antiga estação ferroviária de Esperança, decisão aplaudida por mim. Por essas e outras que o Sr. Ricardo acabou ganhando um retrato desenhado na hora.




Foto: Vanessa Kufner
Foto: Vanessa Kufner
- Machado

Se não fosse pelas indicações do Sr. Aldibert em Carlos Barbosa (RS), e o Sr. Cláudio num clube de bocha próximo ao local, seria impossível a localização da parada (estribo) Machado, conhecida também como desvio Machado. Pelo que me informaram, não havia alí qualquer construção, o chefe do trem parava no local sempre que houvessem passageiros para embarcar ou desembarcar. Inacreditavelmente ainda existem trilhos, dormentes e brita!


Nenhum comentário: