Eu sou Carlos Latuff, cartunista e fã ferroviário. O propósito desta página é compartilhar com os internautas uma seleção das melhores imagens produzidas durante minhas expedições ferroviárias. Os registros aqui publicados podem ser reproduzidos pelos interessados, com tanto que para fins não-comerciais de informação, citando a fonte (por gentileza). Sou também colaborador do sítio www.estacoesferroviarias.com.br, de autoria do pesquisador Ralph Mennucci Giesbrecht, a página mais completa da Internet sobre estações ferroviárias brasileiras.

sábado, 30 de outubro de 2010

Continuando a viagem pelo noroeste do Paraná

Concluíndo o relato da mais recente viagem ao Paraná (veja como tudo começou AQUI), trago mais fotos do trecho entre Maringá e Cianorte.

Doutor Camargo

A estação ainda se encontra de pé, ou melhor, seu esqueleto. Me confundi e achei que se tratava da estação/parada de Ivaí. Existe uma casa de turma bem próximo, onde mora um casal.

(Clique nas imagens para ampliar)











Água Boa

O tamanho da estação de Água Boa impressiona, assim como seu abandono. O conjunto ferroviário inclui uma imensa caixa d'água e um armazém (guardado em seu interior encontrei feixes de bambu ou cana).

(Clique nas imagens para ampliar)













Paissandu


Curiosamente, a estação de Paissandu localiza-se no município de Paiçandu. O prédio, que antes servia de espaço cultural, encontra-se desativado na gestão do atual prefeito, Vladimir da Silva (PMDB). Antigas casas de turma nas proximidades tornaram-se residências.

(Clique nas imagens para ampliar)







Vidigal

Era uma parada, onde os passageiros dos trens mistos tinham certa dificuldade para desembarcar, já que não havia plataforma. Alguns chegavam a se machucar. Não existe vestígio dessa parada, asssim como outras do trecho, só moradores antigos na região conseguem apontar sua localização, como é o caso de João Custódio, ex-guarda-freios, que trabalhou na ferrovia entre 1956 e 1971.

(Clique na imagem para ampliar)




Ponte rodo-ferroviária sobre o rio Ivaí


A ponte entre Maringá e Cianorte tornou-se point de pescadores, que descansam sobre a via tranquilamente já que não há mais tráfego de trens neste trecho. No entanto, o local oferece risco por não ter mureta de proteção. Basta um descuido pra cair no rio.

(Clique na imagem para ampliar)




3 comentários:

sergioaraujo disse...

Você tem um belo conteúdo em seu blog. Acesso todos os dias para ver se tem algo novo. Obrigado por produzir um conteúdo tão relevante, mesmo para os mais críticos.

Um abraço.

sergioaraujo disse...

Seu trabalho tem muita relevância para a memória ferroviária e o crescimento cultural das pessoas. Sou um grande fã do seu e do blog do Ralph.

Rodrigo Conejo disse...

ontem estive na ponte e forao trocado os dormentes da linha férrea sera q o trem vai voltar a passar por ali?